7 Dicas indispensáveis para viajar com bebês

Ter um bebê já é uma novidade e tanto. Imagina viajar com um recém nascido de 2 meses? Esse foi meu desafio da vez e como promessa é dívida, aqui vai meu primeiro texto viajando com a Letícia.

Tudo começa na escolha do destino e da passagem aérea. Então, minha primeira dica é:

1 – Destino:

Escolha um destino que ofereça tanto infra-estrutura como diversão para toda a família incluindo para viajar com os bebês. Quer ver um bom exemplo: Fernando de Noronha! PARAÍSO NA TERRA ( A Karol até dá dicas sobre Noronha aqui no blog), mas se seu bebê adoecer pense se há um hospital próximo, farmácias completas, vôos a qualquer hora e recursos para que seu bebê se instale bem?.Leve isso em consideração sempre!

Os bebês são frágeis e estão no processo de aprendizagem assim como os pais. Para eles isso tudo é uma grande “festa estranha com gente esquisita”. Se o Baby estiver bem, vai ver que toda viagem correrá melhor pra toda família.

2 – Passagens aéreas:

Esse é um drama da vida de todo viajante! Normalmente passagens com uma ou duas escalas saem mais barato que passagens em vôos diretos. Minha dica: poupe em outro lado e opte pelo voo direto.

A Letícia embarcou com 2 meses e alguns dias. Quando compramos a passagem, ela nem tinha nascido e tínhamos duas passagens dentro da faixa de preço que pretendíamos. Uma delas era o do voo direto pela TAP Lisboa – Belo Horizonte e a outra era pela Swiss, fazendo uma escala de 12 horas em Zurique.

Por uma sorte do destino ( Ouvi um amém?!) Letícia é um bebê tranquilo. Não chora muito, adora bater perna e só quer sentir a nossa presença por perto, o que facilita muito fazer qualquer tipo de passeio ou viagem com ela. Mas se é um bebê chorão, que tem mais dificuldade de se adaptar? 9, 10 horas por conta é complicado. Mesmo que você faça um stopover, rola um certo caos na hora de levar leite, fraldas, roupa extra, remédios e tantas coisinhas que um bebê precisa.  Quanto menos tempo de transição melhor.

E aqui cabe uma dica preciosa: Dê a maminha, ou mamadeira ou o bico, na aterrissagem e na decolagem. É importante que o bebê pratique a sucção para aliviar os ouvidinhos, ou seja, a pressão que até nós adultos sentimos.

3 – Bercinho no avião!

Pois é papais viajantes muita gente não sabe mas a maioria das empresas aéreas que fazem viagens de longo curso oferecem um berço portátil para bebês pequenos.

Atenção para alguns detalhes. Os berços tem em média a medida de 75cm de comprimento, 34cm de largura e 22,4cm de altura, suporta um bebê de até 11kg e com no máximo 12 meses.

Se o avião começar a agitar e houver turbulência, tem que tirar o bebê e prender no colo com uma espécie de cinto próprio que eles fornecem. Além do mais, as poltronas disponíveis com bercinho são aquelas primeiras que normalmente ficam perto dos banheiros. C’est La Vie, amigão!

7 dicas para viajar com bebês - Bons ventos me Levam
7 dicas para viajar com bebês - Bons ventos me Levam

A Letícia ficou bem tranquila e confortável mas levei duas cobertinhas dela e o travesseiro com cheirinho dela também, tanto para ela não sentir frio quanto para ela se sentir mais segura durante a viagem. E funcionou perfeitamente!

4 – Confirme o transporte do carrinho:

Olha o cenário da treta formado: você com mil bagagens, neném querendo mamar, passaporte, documentos, ansiedade e de repente chega no balcão e precisa pagar pelo carrinho do bebê. Já vamos viajar azedos, certo?!

Quando for comprar a passagem confirme se o transporte do carrinho do bebê é liberado e sem taxas extras. Quando entrei em contato com a TAP para confirmar as bagagens da minha reserva o que me disseram foi exatamente isso:

“Olá Sabrina, o bebê tem direito a viajar com uma bagagem de mão com o essencial para a viagem e uma bagagem de porão com um peso máximo de 10kgs. O carrinho de bebê é gratuito sempre que viajar com bebês e crianças até 5 anos de idade.”

O carrinho da Letícia é daqueles desmontáveis, no qual o assento do carro, cadeirinha ou bebê conforto, como alguns conhecem, encaixa e desencaixa. Lembra como será seu deslocamento no destino. Se for de carro, você precisará pensar na cadeirinha automotivo.  Se o carrinho já tem, problema resolvido.

Na hora de despachar as malas, ainda no balcão da empresa, confira se a empresa etiquetou todas as partes do carrinho. Se ele tem duas ou três partes, cada uma tem que levar uma etiqueta. Fique atento a isso!

  • Observe a etiqueta amarela em duas partes diferentes do carrinho. São as partes que se desmontam e são enviadas separadamente. E na foto é minha mãe quase invadindo a zona de desembarque. 🙂

5 – Documentação:

Viajar com bebê é um negócio tão sério que se você for em uma farmácia pedir medicamento, recomendam primeiro uma visita ao pediatra. Se você for viajar de um país ou de um continente para outro e passar por um posto de imigração, podem pedir até atestado que o dedão do pé do seu bebê parece com o dedão de um de vocês dois.

E faz todo sentido. O tráfico de crianças infelizmente é muito comum além dos casos onde os pais brigam e um dos dois querem fugir com a criança. Então para não ter stress, levem tudo da criança e dos pais. Os principais documentos que levei comigo foram:

Certidão de casamento dos papais ( No caso dos pais casados)
– Certidão de nascimento
– Cartão de cidadão do bebê
– Passaporte do bebê ( Yeaaaah e atenção à validade do passaporte. Em Portugal por exemplo tem duração de 2 anos para crianças menores de 4 anos).
– Cartão de vacinação
– Boletim de saúde

6 – Boletim de Saúde:

Bebês são muito sensíveis e estão mais suscetíveis a doenças e viroses presentes no ambiente por onde circulam. Fique atento às vacinas e aos cuidados de saúde necessários relativamente ao destino da viagem. Por exemplo, no Brasil recomenda-se tomar a vacina da febre amarela mas só ministram em bebês com mais de 9 meses.

Para garantir que tudo está nos conformes marque uma consulta com o pediatra e explique sobre sua viagem, quanto tempo, por quais países pretende passar até mesmo em escala e se vai visitar zonas específicas. Como por exemplo zonas de floresta tropical! Entendeu a ideia né?!

Não se esqueça do seguro viagem!

Nós temos uma empresa para te indicar que é nossa parceira, faça uma comparação:

7 – kit sobrevivência:

Leve tudo que for necessário para uma viagem tranquila e nisso estão incluídos brinquedinhos, paninhos, travesseiro, roupa reserva, muitas fraldas, cremes e remédios necessários, produtos de higiene e qualquer outro objeto que o bebê esteja acostumado.

Levei inclusive pó de leite artificial para bebê na mala de mão. Embora ela só mame no peito, em uma emergência o leite pode fazer toda diferença. Levei também duas cobertas: uma mais fininha e outra grossa, já que durante a viagem o ar condicionado castiga.

34666128 10214056836313982 4390836476489760768 n

Não tive nenhum problema com a TAP relativamente a mala de mão da Letícia. Ela estava bem carregada de coisas e ninguém nos questionou ou mandou despachar, até porque temos prioridade no embarque e normalmente as malas que são despachadas são as daqueles passageiros que entram por último e ficam sem espaço, ou no caso das bagagens muito grandes.

34776565 10214056239659066 4166328996805476352 n

Dicas Bônus 

Tenha atenção também na idade mínima permitida para viagens de avião. Na maioria das empresas aéreas que vi, o mínimo são 7 dias de nascido, mas não convém tão cedo, principalmente se não tiver passado pela pediatra ainda. Mas sempre passe pela pediatra antes de qualquer viagem.

A maioria dos pediatras e enfermeiros recomendam tirar a criança da cadeirinha a cada 2 horas para viagens de carro.  Para viagens de avião a dica também é válida caso você reserve um assento para a criança.

Outra questão que você precisa ter máxima atenção é se a criança vai viajar com os dois pais e caso não vá quais são as autorizações necessárias e quais os procedimentos, além dos prazos. Na maioria dos casos é necessário uma autorização judicial.

Lembre-se também de tirar xerox (Fotocópia) de todos os documentos que levar com você, seu e do bebê. Caso aconteça alguma emergência e você perca os documentos há pelo menos um comprovante da existência deles.

Por fim, dê o peito, a mamadeira ou bico na aterrissagem e na decolagem para aliviar a pressão dos ouvidos.

No mais, boa viagem e conta pra gente sua experiência!

*Ao reservar com um parceiro através dos nossos links recebemos uma pequena comissão. Você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter sempre atualizado com novas dicas de viagem. Obrigada! =)

7 Dicas indispensáveis para viajar com bebês

Quer viajar mais? Cadastre-se aqui e não perca nenhuma dica:

Mais algumas dicas

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.