Qual a hora certa de imigrar?

Imigrar ou não? Para Portugal? Quando? Vou com a família toda? Estou aqui para te ajudar a tomar essa decisão tão importante e que poderá mudar a sua vida para sempre.

Muita gente tem me perguntado e pedido dicas para se mudar para Portugal. O que precisa? Quanto custa? A língua é igual? Como é o preconceito? Vale a pena? Sinceramente, não sei!

Depende do que você está buscando, do quanto está preparado, do que deseja encontrar e o que está preparado ou pré disposto a aguentar.

IMIGRAR NÃO É UMA TAREFA FÁCIL. NÃO VOU MENTIR PARA VOCÊ.

Mais do que a saudade da família, dos amigos e do cachorro, imigrar é uma mudança que vem de dentro, do coração. Aliás, se sua preocupação é a saudade que vai sentir, começamos mal. Essa é a primeira coisa que você precisa tirar da cabeça.

Saudade é uma palavra que viverá no seu interior, no seu dia-a-dia, na sua cabeça.

• Você está disposto a superar a saudade e pronto para entender que perder um jantar de família é normal e vai ser muito comum?

Parece estúpido, eu sei. Mas muita gente não está emocionalmente preparado para esse momento.

Quando você imigra você perde o enterro de um parente ( na maioria das vezes e das pessoas, não há dinheiro nem tempo para ir ali no Brasil de última hora), você perde o natal em família, o aniversário da sua mãe, a formatura do teu primo, o batizado do filho de um amigo e tantos outros momentos.

Foque no seu objetivo e tenha consciência de que é um sacrifício que compensa. Mas primeiro defina seus objetivos para justificar o que realmente está compensando. Como assim Sabrina?

• Defina quanto tempo, ou qual o período você tem para tentar imigrar:

O que isso quer dizer? Mudar de país tem relação com resolver papelada burocrática,  tem relação com adaptação, com encontrar trabalho e com organizar a vida. Quanto tempo você tem para conseguir equilibrar isso tudo, ou pelo menos uma parte? 1, 2, 3 anos!

Normalmente em Portugal um processo de legalização tratado aqui dentro, ou seja, nos casos em que as pessoas não vem de fora já com autorizações, tem uma duração a partir de 1 ano.

Têm pessoas que conseguem com 9 meses e outras com 2 anos. Depende muito da sua situação, da cidade onde estará, dos termos da lei em que vai se enquadrar.

• Faça uma poupança:

Infelizmente muita gente tem a ilusão de que não precisa de muito para imigrar e essa pode ser a ideia mais equivocada que você pode ter. Não estamos falando de milhares de milhões mas…

Ninguém sabe quanto tempo vai demorar para aparecer um trabalho para você, quanto você vai gastar na casa, hotel ou hostel até se estabelecer em algum lugar, quanta coisa de casa vai precisar comprar (a primeira compra de casa para mim, morando sozinha, sempre ultrapassa os 100 euros) e quanta coisa pessoal, tipo roupa de frio e sapatos, você vai precisar.

Além das contas óbvias como a passagem aérea, um seguro saúde dependendo do país para onde você vai, as malas que provavelmente você não terá tantas ou de um bom tamanho e por aí vai.

Você pode ter surpresas com a mudança de clima (as mudanças de estação me fazem muito mal principalmente a entrada do inverno e da primavera) afinal provavelmente você brasileiro não está muito acostumado com temperaturas abaixo de zero. Uma continha no hospital de 100 euros não é a coisa mais difícil do mundo de acontecer!

Poupa muito, poupa tudo. Diminui as festas depois da faculdade, os butecos no sábado à tarde, o happy hour com o pessoal do trabalho, os almoços e jantares com amigos, a maquiagem it da temporada, as roupas de marca, os sapatos última estação, os esmaltes da novela, o ingresso do jogo de domingo ou o bilhete do festival de música sertaneja.

De grão em grão a galinha enche o papo, ou melhor, de centavo em centavo quando assustar você já pagou sua passagem aérea.

• Fique atento aos documentos e legalizações:

Essa pra mim é das piores partes, inclusive vou fazer um post (uns 10) para explicar como foi o meu processo de legalização em Portugal.

Embora minha experiência tenha se passado em terras lusitanas, os países em geral estão se fechando e dificultando a entrada de estrangeiros.

De modo geral você poderá vir para Portugal de três formas básicas: com visto de estudante para menos de 1 ano, com visto de estudante que será trocado por um cartão de residência se o tempo de duração do curso for maior que 1 ano, com visto de trabalho do Brasil e em outras modalidades mais específicas como visto para empresário, Gold – Alto investimento, aposentados entre outros.

Já tive o visto de estudo para menos de 1 ano, o cartão de residência para cursos superiores a 1 ano e pedi o de trabalho. Essa é uma longa história.

Quando o documento é emitido no Brasil, fica tudo mais fácil. Os de estudo normalmente são facilmente aprovados.
Agora os documentos de trabalho passam por duas questões:

1. Uma empresa portuguesa precisa publicar a vaga, não encontrar alguém correspondente e justificar sua vinda, emitindo um contrato de trabalho ou uma promessa de contrato;

2. Seu documento precisa ser aprovado!

Confesso que não conheço ninguém que tenha vindo para Portugal trabalhar com autorização de residência por meios de trabalho por conta de outrem, com tudo tratado já do Brasil. Claro que devem existir casos, mas eu não conheço nenhum.

Se você não vem do Brasil para Portugal com documento de trabalho e quer trabalhar, meu amigo, isso aí sim é uma novela mexicana. Prepare sua paciência, algumas lágrimas e talvez um bom dinheiro para um excelente advogado.

Claro, que as experiência são múltiplas. Cada um passa por uma situação de uma forma. Mas por experiência de marujo, a conversa no navio não é muito diferente.

pexels photo 102644

 

AFINAL EXISTE UMA HORA CERTA?

Para MIM, Sabrina, sim! E vou te justificar porque de forma simples.

A hora certa é quando você tiver poupado dinheiro suficiente para viver pelo menos 3 meses como turista em Portugal sem trabalhar e sem ficar ilegal.

Se tiver parentes e conhecidos que te ajudam, as coisas ficam mais fáceis. Mesmo assim tenha seu próprio dinheiro. Conselho de amiga!

Para mim o momento certo é aquele em que você coloca no seu coração: “vou arriscar, vai custar a saudade mas a hora é essa”. É quado você tem minimamente uma ideia de que pode vir a trabalhar em restaurantes, em bares e cozinhas.

É o momento em que você diz: “estou pronto para pegar qualquer trabalho e viver minha vida de maneira mais simples, muitas vezes ouvindo desaforo e aguentando preconceito”.

Se você estiver pronto para provavelmente abandonar o seu “super cargo” em uma “super empresa”, sua hora pode ser essa.

E por fim

Quando você decidir que está disposto a passar pelo processo de legalização, por mais caro e desgastante que ele seja. Eu dizia assim: “Já cheguei até aqui, já caminhei tanto, não vou desistir, sei o que estou fazendo aqui”.

Isso tudo a base de muitas noites sem dormir e muito choro.

Mas não é pra ver isso tudo como um impedimento ok? É para se planejar para não ter sustos.

Acredite em mim, por experiência própria, não há nada pior do que levar sustos do outro lado do oceano longe de tudo e todos.

Coração balançou? Bora, compra a passagem e siga Portugal. Dá tempo de chorar no avião!

Quer viajar mais? Cadastre-se aqui e não perca nenhuma dica:

 

Qual a Certa de Imigrar - Bons Ventos me Levam

Mais algumas dicas