Hoje vou contar o passo a passo do meu processo de casamento em Portugal com um português. Espero que te ajude e desejo felicidades ao casal.

Quando tomamos a decisão de nos casar, não foi nada fácil encontrar informações corretas dos documentos necessários para dar entrada no pedido.

Novela mexicana salpicada de bacalhau! Perguntamos na internet e em grupos do Facebook e cada um dizia uma coisa. Então o primeiro passo, simples, direto e rápido: Uma pesquisa no Google por cartório notarial para casar em Lisboa.

Algumas pessoas dizem notários, outros cartórios e no fim é o Instituto dos Registros e notariado, ou simplesmente, cartório notarial ou conservatória de registro civil. Deu na mesma!

*OBS: Antes de mais nada estou super mega cheinha nas fotos. É tudo culpa da Letícia minha inquilina.

DOCUMENTAÇÃO

No Portal do cidadão, nesse link aqui, tem as informações sintetizadas e mais fieis ao que realmente foi com o meu processo.  Mesmo assim, não precisei de todos os documentos que constam lá na página. Então para confirmar a situação, ligamos para o notário que queríamos que celebrasse o casamento.

Optamos pelo notário Frederico Soares Franco que fica próximo a Marquês de Pombal em Lisboa e ficava fácil de chegar para quem fosse participar da cerimônia.

Até porque acredito que é o único em Lisboa segundo essa lista que consultei!

Chegamos em um dia de semana, pegamos uma senha para casamento logo à entrada, e fomos direto ao balcão de atendimento com os seguintes documentos:

Para o cônjuge brasileiro:

  • Minha residência válida em Portugal e meu passaporte. No caso de quem não tiver residência, precisa ligar e se informar se pode levar algum comprovativo de agendamento, de manifestação do pedido ou algum comprovativo de que está aguardando o cartão chegar.
  • Minha certidão de nascimento com validade de 3 meses, tirada no cartório brasileiro e apostilada. Não foi preciso levar ao consulado para autenticar, esse processo graças a Deus mudou! Alguns cartórios já fazem isso segundo a convenção da apostila de Haia.

Em Belo Horizonte o cartório Jaguarão que fica na Rua da Bahia no centro de BH já está autorizado a apostilar os documentos para serem usados em Portugal.

Aqui nesse link você pode consultar qual cartório na sua cidade está autorizado também.

Em menos de uma semana já tínhamos a certidão em mãos com carimbos por todos os lados. Quanto ao preço, ops nos escapou, vou confessar, mas me lembro de ver um carimbo que custava por volta dos 24 reais. Faça conta de 30! Mas não foi um valor absurdamente caro.

O que pode sair caro é o envio pelo correio registrado com urgência, caso precise dele com rapidez. No nosso caso, uma amiga da família que estava de viagem entregou em mãos. Foi mais rápido e seguro. Se tiver essa hipotese, é sempre melhor.

Para o cônjuge português:

  • O cartão de Cidadão ( Algumas pessoas referem-se como BI, só que o cartão cidadão

tem mais informações) do seu maridão ou da sua companheira.

No balcão a funcionária vai entregar ao casal uma folha para preencher os dados de ambos e declarar se há filhos em comum, qual a profissão, escolher o “modelo” ou seja o regime de bens e outros dados para abrir um processo que solicita a aprovação do seu casamento.

Quanto aos valores, são 120 euros para casamentos durante a semana no espaço da conservatória, dentro do horário de funcionamento normal, e 200 euros para finais de semana, fora da conservatória e para deslocamentos do funcionário que celebrará o casamento.

Um dos dois solicitantes abre o processo no próprio nome. Achamos melhor ele como português fazer a solicitação. E, talvez tenha resultado…

O MILAGRE

Once upon a time, 4 dias úteis após o nosso pedido…. CASAMENTO APROVADO ( Para dali 5 dias)!

Primeiro ficamos incrédulos e pensamos que podia ser uma pegadinha de algum dos nossos amigos. Juro! Depois ligamos para perguntar sobre horários disponíveis e datas e sim, era verdade, podíamos nos casar.

O tempo que nos pediram foi de 1 a 3 meses para investigação do SEF ( Serviço de Estrangeiros e Fronteiras). Investigam se realmente estamos contraindo matrimônio por questões pessoais e conjugais ou se é algum tipo de facilidade para conceder documento europeu e residência para um estrangeiro.

Já ouvi casos próximos de mim de casais que passaram por interrogatórios, que receberam em casa visitas de inspetores do SEF que pedem pra ver a casa, observam os espaços. Também tenho conhecimento de investigações que incluem telefonemas para amigos, conhecidos, familiares, visitas nas residências fiscais e outras formas de verificar as condições do casamento.

No nosso caso nada aconteceu. Se ligaram para alguém, ninguém atendeu, porque ninguém nos contou. Brincadeiras à parte, consideramos o nosso caso um milagre.

Acredito que outros casais também tenham passado por esse tempo de espera milagroso, mas a grande maioria não relata o mesmo. Até mesmo para casais portugueses, o tempo costuma ser maior.  Então só nos restava comemorar.

Marcamos para uma sexta-feira para aproveitar os 11 dias úteis de licença casamento. Ou seja, quase 1 mês para aproveitar, arrumar casa, viajar, brigar, bagunçar e se acostumar com a nova etapa deliciosa que é o matrimônio.

A CERIMÔNIA

Não tem muita cerimônia na cerimônia! A senhora que realizou o casamento chegou, perguntou se estavam todos os convidados presentes e se podiamos começar. Sei que um dos casais que ia casar na sala ao lado estavam 20 minutos atrasados e eles tinham um tempo de tolerância.

No notário que escolhemos eram 2 salas. Uma é maior que a outra e cabem mais pessoas. Caso você queria levar um número maior que 10 pessoas, recomendo que informe quando for fazer a marcação por telefone. A sala que casei cabiam mais ou menos 12 pessoas sentadas e a outra um pouco mais.

Outro detalhe que me fez quase chorar de tristeza foi o fato de não existir mais aquele momento maravilhoso da assinatura, que você faz a unha só pra ele. Não tem mais! Pelo menos em Portugal não.  Nós nos levantamos, falamos que é de livre e espontânea vontade casar com o fulano de tal a nossa frente e está feito.

Se vocês optarem por trocar as alianças ela vai te dizer o momento, vai resumir alguns pontos muito importantes do casamento ( e é aqui que eu comecei a segurar pra não chorar) e manda vocês comemorarem, se beijarem e sumirem da frente dela a seguir.

Nós optamos por não trocar a alianças de ouro agora. Continuo usando meu anel de noivado e aliança de compromisso em prata.  Vamos deixar a troca das alianças para a festa no Brasil, que faremos após o nascimento da Letícia.

COMEMORANDO

Como optamos por realizar a festa de casamento no Brasil, para dividir as alegrias e tocar um samba, não nos preocupamos em realizar grandes comemorações para já.

Marcamos um almoço no Hotel Lux Lisboa Park que ficava a 1 km do notário. Mesmo quem não tivesse carro, um Uber ou um táxi não ficariam caros.

Como me casei às 11 da manhã, optamos por realizar o almoço e como eram poucas pessoas ficou a 14 euros por pessoa, com buffet livre e bebida. O mesmo restaurante abriu a pouco tempo com o mesmo serviço de Buffet aberto ao público.

Caso queira realizar uma festa maior, com cardápio pré-definido e todas as formalidades de uma festa de casamento entre em contato pelo telefone 213 894 320 ou no e-mail lux.lisboa@luxhotels.pt  . Há salas próprias  para um casamento que não deixam nada a desejar, acredite!

Fiquei extremamente satisfeita com o serviço, com o carinho, atendimento e simpatia da equipe toda. O espaço é lindo, tem uma piscina e uma jacuzzi no último andar com vista pro Tejo e para a cidade de Lisboa.

Para quem quiser ficar no hotel as diárias variam dos 100 aos 150 euros a noite para o casal dependendo da data e da temporada.  A localização também é excelente, perto do parque Eduardo VII, perto da linha do metro da Marquês de Pombal, Parque e São Sebastião ou seja linha azul, vermelha e amarela.

No final das contas, o importante é estar entre os que amamos e estarmos felizes não é mesmo?!