Cabelos cacheados ou lisos? Cremes para cabelos cacheados ou lisos? Cabelo ressecado de química ou natural? Químicas ou assumir minha genética? Hoje vou te contar como sobrevivi a transição capilar morando em Portugal.


Começo dizendo que não foi fácil. Nenhuma mudança na vida é, principalmente quando ela inclui uma transformação de linha de pensamento, de comportamento e da visão sobre nós mesmos.

Para quem não sabe, a transição capilar é o processo de transformação do cabelo com químicas para o cabelo natural. Normalmente as químicas são para deixar o cabelo liso, mas há também químicas para permanentes afros e outras transformações.

A ideia é assumir a natureza do cabelo. Acordei, dei aquela trabalhada no visual, esse é o meu cabelo! Sem muito sofrimento.

Mas, na prática nem tudo corre assim maravilhosamente bem. E a culpa não é do cabelo e sim do que colocaram dentro da nossa cabeça. Baita trocadilho heim?!

Quando cheguei a Portugal estava fazendo progressiva no cabelo há muitos anos e tive dificuldade em encontrar uma cabeleireira e um produto que fizesse com que o meu cabelo não quebrasse ou reagisse mal à química.
Foi aqui que começou a minha saga.

A DECISÃO

Parece novela, e foi. Tomar a decisão de deixar o cabelo voltar ao natural é um desafio. E mexeu com tudo, principalmente com meus hábitos de cuidados com o cabelo.

Mas minha decisão foi empurrada. Confesso! Quando cheguei a Portugal tinha acabado de fazer uma progressiva no Brasil, há menos de 1 mês, e o crescimento do meu cabelo é bom. Ou seja, com 2 meses e meio, 3, adeus química e a raíz vai ficando cacheada enquanto as pontas ainda estão lisas. Nada que uma cacheada em transição não saiba, né!?

Nesse período fiquei com medo de experimentar outras químicas. Já tinha passado por uma péssima experiência em Coimbra quando estive em Portugal em 2014 e o que falam sobre as cabeleireiras por aqui também não é nada bom.

Não entenda essa frase como uma forma preconceituosa de se dizer que não arrisquei, tá bom?! Eu vejo de outra forma: hábitos brasileiros, produtos brasileiros para brasileiras e costumes portugueses para portugueses. Entendeu minha linha de raciocínio né?

Além da parte financeira. O processo de imigração na maioria das vezes é um processo caro e eu precisei abrir mão de muitos mimos estéticos em salão para organizar minha vida durante minha migração.
Na época morava em Leiria, a mais ou menos 130km de Lisboa, e não encontrei um salão especializado em cabelo afro ou ondulado.

O cabelo afro, encaracolado ou ondulado, como quiser chamar, é um cabelo especial e muito diferente um do outro. Vai por mim!

MEU CABELO TRIDIMENSIONAL

O meu cabelo tem três texturas: Nas laterais ele é mais liso e ondulado, na frente ele é seco de dar dó, atrás ele ainda está decidindo se é afro ou cacheado. Entendeu o drama né?

Nessa mistura de medo com indefinição do meu cabelo resolvi encarar o processo de transição.
Não foi nada fácil, nadinha! Primeiro por que vi minha imagem mudar, mexer com minha autoestima e com meus hábitos diários. O que eu digo a todas as pessoas que querem passar pela transição: Transição não é lei. Se você gosta dele liso, use liso. Quem precisa estar bem e feliz é você consigo mesma!

Muitas mulheres quando imigram, passam por esse processo de adaptação relativo a cremes de cabelo, cabelereiros, clima, qualidade da água, tudo influencia. Então vou deixar pra vocês algumas das razões que facilitaram meu processo de transição.

TOP 3

A cultura negra e africana em Portugal tem muito valor. Acredite em mim, desde a música até a culinária. Me sinto muito mais valorizada como mulher negra em Portugal do que no Brasil. Quanto a ser brasileira é outra história… pra outro dia! E é claro que essa é a minha opinião e vai variar de pessoa para pessoa de acordo com a experiência pessoal de cada um.

“Creminhos Its” do momento. Quase desenhei um coração na tela agora. O mercado brasileiro anda de vento em poupa no quesito ofertas e inovação para cabelos como o meu. Em Portugal as ofertas são mais restritas? Sim. Esqueça algumas iguarias brasileiras. Mas você pode substituir por outros produtos de excelente qualidade por preços que não são tão altos. E se mesmo assim você quiser Kerastase e companhia, os preços são bem melhores do que no Brasil.

Vida nova, cabelo novo. Sempre fui adepta de mudanças e acredito que imigrar ou ir passar um tempo fora do seu país é uma boa oportunidade de mudar o visual e experimentar sensações novas, inclusive um cabelo novo.

Esse são os 3 tópicos principais que me fizeram resistir à transição durante o processo. Em Portugal há sim excelentes salões, procure com calma. Há cabeleireiras brasileiras e sei que há especialistas em cabelos como meu.

Não se importe se chamarem seu cabelo de Carapinha. É o termo que eles usam normalmente para TODOS os cabelos afros, ondulados e cacheados. Não fique bravo se não souberem que seu cabelo é um 3C ou um 4A ok?

Também tenha calma quando for procurar por Co-wash, finalizador, gelzinho… são termos muito brasileiros e não é em toda loja que eles vão entender seus anseios de alma ok? Quando for procurar Co-wash pergunte pelo condicionador de limpeza!

Tenha em conta também a cidade para onde você vai. Se é difícil encontrar produtos em Lisboa e Porto que são grandes cidades, imagina no interior de Portugal.

Mas “acalma os cavalos” que eu vou deixar pra você umas dicas:

Grupo de cacheadas em Portugal
Aqui você vai poder tirar suas dúvidas de onde encontrar produtos, quais produtos equivalem aos que você usa no Brasil e outras informações da área. Ahaaaaaa tem 25.000 mil membros ( você não está sozinha e abandonada viu?)
• A loja Meu Cabelo Natural
Que tem muitos produtinhos especiais, um atendimento maravilhoso, são super simpáticas até pelo facebook e entregam. Siiiiiiiiim, fazem envio! Se você mora onde Judas perdeu as botas, tem creminho sim, senhora!

• E o salão do Thon : Eu nunca fui, mas tenho amigas que já foram e gostaram! Experimenta. Cada cabeça uma sentença, literalmente.

• Produtos Lola Cosméticos: Os queridinhos no Brasil! Não achei em lado nenhum em Portugal, só mesmo quando alguém vem do Brasil e rola aquele contrabando amigo. 😀 Mas há um escritório da Lola em Genebra e quem atende por lá é o Antônio Novais e o contato dele é esse: novais.ch@gmail.com. Ele não foi nada simpático comigo, vou ter que confessar, então não comprei por ele, esperei um familiar me visitar e trazer. Me lembro também que os portes não compensavam, mas não custa tentar.

No mais, também estou à caça de lojas e produtos. Se souber de mais produtinhos, lojas e cabeleireiros, conta aqui pra mim tá bom?